Suas Notícias
ÍNDICE


COLUNISTAS
Jussara Gottlieb
Social
Cândido Ocampo
Auditoria no novo Código
Kátia Alves
Pragas urbanas
Wilson Santos
Trânsito Brasil
Marcelinho
Blog do Marcelinho
Pedro Marinho
Blog do Pedro Marinho
Candido Ocampo
Publicada em 04/02/2013 às 14h00
Disponibilidade obstétrica
 Em novembro passado, o Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou o Parecer 39/12 que, respondendo pedidos de esclarecimentos feitos pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e algumas entidades médicas, declarou ser ético o pagamento de honorários pela gestante ao seu obstetra para o acompanhamento presencial do trabalho de parto.

 O documento menciona, ainda, que o pagamento só poderá ser realizado se for acordado entre médico e paciente na primeira consulta, e se o profissional não estiver de plantão no dia do parto.

   Segundo o CFM, não existindo obrigação contratual entre o médico e a operadora de plano de saúde para o acompanhamento presencial do trabalho de parto, o profissional, do ponto de vista legal e ético, não tem o compromisso de realizar o procedimento em gestante que acompanhou durante as consultas do pré-natal. Logo, o pagamento não infringe o contrato estabelecido entre o facultativo e a operadora, não configurando dupla cobrança. Até porquê, o médico não poderá cobrar também do plano de saúde.

.Para a entidade, o “acompanhamento presencial” que a gestante eventualmente possa contratar de seu obstetra, que compreende desde o início até o término do trabalho de parto, é um procedimento distinto do pré-natal e da efetiva realização do mesmo (quer por via vaginal, quer por via alta), pois sendo o parto normal caracterizado como urgência, exige do profissional uma disponibilidade por tempo indeterminado, podendo ser acionado a qualquer hora do dia e da noite, de qualquer dia da semana.

 O parecer suscitou polêmica na primeira hora. Técnicos da ANS foram a público afirmar que a orientação do CFM não tem base legal e fere os contratos em vigor.

   Segundo a ANS, que divulgou nota sobre a novel orientação conselhal, os contratos devem ser garantidos e, na hipótese do parecer do CFM vir a ser aplicado na saúde suplementar, deverá haver recontratualização entre operadora e prestador, deixando claro entre as partes e aos usuários quais os serviços que o médico credenciado estará obrigado a realizar no âmbito da garantia do plano.

 Em verdade, o busílis está no fato do CFM “oficializar” uma conduta que já vinha sendo praticada há algum tempo por parte dos obstetras.

 E aqui, faço um parêntese. Não é justo que o médico não seja condignamente remunerado pelo tempo que ficou à disposição para realizar um procedimento. Em qualquer atividade profissional o pagamento pela disponibilidade é lei.

   Tratando-se de serviço autônomo, há que haver uma avença entre as partes para que fiquem configuradas as obrigações. No caso de médico e paciente sem plano de saúde, a questão é mais simples, bastando que o obstetra a esclareça sobre os procedimentos que serão realizados quando do parto e os honorários a serem pagos.     

     Porém, sendo a paciente usuária de plano de saúde, a relação financeira deixa de ser bilateral, pois há, para fins de custeio, a interposição de uma terceira pessoa, que é a operadora.

 Neste caso, como levantou a ANS, os contratos entre as partes têm que ser claros e objetivos, não dando margens a discussões.

 O próprio CFM reconhece que até pouco tempo era comum, no âmbito da assistência privada à saúde, o compromisso dos obstetras em realizar o parto das gestantes às quais haviam assistido durante o pré-natal, mesmo sem a contrapartida por parte das operadoras. Recebiam honorários pelas consultas mensais e pelo parto, mas não pela disponibilidade.

 A disponibilidade, que o CFM prefere chamar de “acompanhamento presencial” do trabalho de parto, como procedimento autônomo é um conceito novo, que não era levado em consideração quando da contratação entre profissionais e operadoras de planos de saúde.  

 Nesse contexto, somos de opinião que cabe às partes (operadora e prestador) enfrentar a questão e renegociar os contratos, clausulando de forma precisa as obrigações de cada qual. Sem, contudo, ferir direitos do usuário.

 O alerta não é  despiciendo, pois, por se tratar de matéria nova, ainda não sabemos como o Judiciário analisará a questão. Porém, de uma coisa eu tenho certeza: os contratos serão respeitados e os direitos do usuário/consumidor serão garantidos.

 

Cândido Ocampo, advogado atuante no ramo do Direito Médico.

candidoofernandes@bol.com.br

MAIS NOTÍCIAS
22/10/2014Consulta ou retorno ? Cândido Ocampo
12/08/2014Seguradoras e seus formulários -Cândido Ocampo
06/05/2014Ofensa escusável
10/04/2014É ético prometer a cura ? Cândido Ocampo
11/03/2014O Código de Ética Médica e o consentimento continuado
13/02/2014A consulta e as operadores de planos de saúde
14/08/2013Auditoria no novo Código
26/07/2013Desagravo profissional
05/07/2013Jornada e produção médicas
21/06/2013Alta hospitalar
22/04/2013Diagnóstico preditivo no novo Código
26/03/2013Escusa moral
11/03/2013Hospital: hipoteca social
02/03/2013Biogenética
04/02/2013Disponibilidade obstétrica
28/01/2013Cardiologia intervencionista
28/01/2013Testamento vital (II)
21/01/2013Testamento vital (I)
11/01/2013Formulário de seguradoras
11/01/2013Formulário de seguradoras
15/06/2012Diagnóstico de anencefalia
12/05/2012Receita médica legível
05/05/2012Cota racial: a oficialização do preconceito
20/04/2012Ancenfalia: venceu a razão
13/04/2012Prazo para consulta
08/03/2012Proteção da medicina (II)
02/03/2012 Proteção da medicina (I)
24/02/2012Legista no interior
24/02/2012Legista no interior
10/02/2012Porque o plantão de sobreaviso
03/02/2012Plantão
16/12/2011O assistente e o plantonista à distância
02/12/2011Relação médico-paciente
25/11/2011Abortamento de anencéfalo
18/11/2011Estagiário de Medicina
11/11/2011Formulário de seguro
21/10/2011Biogenética
08/10/2011Requisições de prontuário
22/09/2011Nomeação de perito
29/08/2011Contradição federal
09/08/2011Consulta médica
09/08/2011Consulta médica
09/08/2011Consulta médica
15/04/2011Medicina alternativa
08/04/2011Cardiologia intervencionista
01/04/2011Prescrição de órteses e próteses
25/03/2011Lentes de contato
18/03/2011Médico perito
12/03/2011Obrigação e resultado
08/03/2011Perda de uma chance
25/02/2011Atendimento pré-hospitalar
18/02/2011Transporte inter-hospitalar
11/02/2011Retorno de consulta
19/12/2010Infecção hospitalar
11/12/2010Consentimento continuado
03/12/2010Medicina preventiva
26/11/2010Erro profissional
19/11/2010Renúncia à assistência
16/11/2010Natureza obrigacional do anestesiologista
05/11/2010Autonomia do anestesiologista
29/10/2010Perda de uma chance
24/10/2010Interiorização da medicina
15/10/2010Honorários médicos
08/10/2010Diretoria técnica e clínica
24/09/2010Telemedicina
20/09/2010CRF realiza encontro de sucesso em Ariquemes
16/09/2010Desagravo público
11/09/2010Curso sobre prevenção às drogas será em outubro
10/09/2010Caução Hospitalar
03/09/2010Ato médico
28/08/2010Produção médica
16/08/2010Teoria do risco
06/08/2010Medicina preditiva
22/07/2010VEJA O QUE ACONTECE HOJE NAS NOVELAS
07/07/2010Formigas (I)
01/07/2010Espionagem usa técnica avançada para enviar mensagem
26/04/2010Fraco Ibope de Gugu causa crise na Record
05/04/2010Pronto socorro e Pronto Atendimento


WWW.SUASNOTICIAS.COM.BR
© 2010 - Todos os direitos reservados a SUASNOTICIAS