Os restos mortais ficaram à mostra no altar do igreja, em missa realizada em sua homenagem, celebrada pelo arcebispo primaz do Brasil e cardeal de Salvador, dom Geraldo Majella Agnelo.

Seu corpo esteve exposto para visitação desde a terça-feira (8) e atraiu milhares de pessoas.Após a missa, houve uma celebração exclusiva para religiosos na capela. Ainda hoje, o público poderá visitar o túmulo lacrado.

Exumado da igreja no último 27 de maio, o corpo da religiosa estava mumificado e seu hábito (traje de freira), preservado. Após a exumação e transferência dos restos mortais para a capela, só restará a proclamação do papa Bento 16 para que Irmã Dulce seja considerada beata (status anterior ao de santo) pela Igreja Católica. O anúncio deve ocorrer ainda este ano. Em abril de 2009, o pontífice declarou-a "venerável".

A Congregação da Causa dos Santos analisa um caso de milagre atribuído à religiosa baiana em Sergipe. O caso recebeu validação jurídica da Igreja em junho de 2003.

Para irmã Dulce ser considerada santa, o Vaticano deve reconhecer outro milagre atribuído após a beatificação.